ATERRO SANITÁRIO E SUA FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA PARA A SAÚDE DE TODOS.
Sábado, 02 de Setembro de 2017 - Atualizado as 14h38min
Você sabia que   95% das prefeituras do Brasil não entregaram o plano de gestão do lixo? 
 
De acordo como o Ministério do Meio Ambiente, muios municípios brasileiros ainda persistem no descumprimento da legislação ambiental de acordo com a lei  (12.305/10) que determina o fim dos "Lixões" em todo o país. Em Razão do descumprimento da respectiva lei muitos municípios acabam encontrando dificuldades na hora de pleitear recursos federais.
Uma grande parcela de cidades brasileiras ainda estão atrasadas de acordo com uma pesquisa referente ao  índice de de desenvolvimento humano o (IDH ) nos municípios com lixão.  2014 foi o prazo dado pelo Ministério do Meio ambiente para extinção dos chamados "lixões a céu aberto" mas ainda é considerado baixo o número de municípios que apresentaram seus planos de gestão de resíduos sólidos ao Ministério do Meio Ambiente. Isso significa que, apesar da obrigatoriedade, muitas   cidades brasileiras não podem pleitear recursos federais destinados ao setor, como os do Plano Nacional de Resíduos Sólido.
Dificuldades:
O atraso na entrega dos planos evidencia a dificuldade para se extinguir os lixões no país, conforme determina a Lei 12.305.
Diferentes das cidades que ainda não adotaram a política correta para a destinação do lixo urbano, os municípios de Vilhena e Cacoal -RO saíram  na frente é foram  privilegiados com a implantação dos aterros sanitários, elaborando assim   seus planos de gestão de resíduos sólidos. A dupla se destaca nessa relação pelo tamanho da população, Vilhena (Cone Sul do estado com 90 mil habitantes e Cacoal com pouco mais de 88.500 moradores, tendo assim  Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) acima das médias nacional. A implantação dos aterros é uma parceria entre a empresa (MFM SOLUÇÕES AMBIENTAIS ) com as prefeituras dos referidos municípios.
 
  • Fonte: Aroldo Tavares
Publicidade
loading... Carregando conteúdo...

Digite aqui seus comentários.

Reload the CAPTCHA codeSpeak the CAPTCHA code
 
Publicidade